A vida em curtidas

Cena um. Certo dia uma pessoa chegou em mim saltitando “olha só, cinquenta e uma fotos, mil e duzentos seguidores e trezentas curtidas nessa foto que postei’’... Não falei nada pois sabia que teria uma continuação… “e eu só sigo cento e sessenta e sete’’. Ok. Fiquei sem palavras, talvez eu tenha dito um “que bom’’. Cena dois. Era um belo dia e um amigo zombava o outro “ah e quem você acha que você é? Minhas fotos dão quinhentas curtidas.. as suas nem chegam a cem” Pensei na hora que as minhas também não davam nem cem, então no caso eu também não seria ninguém? Que triste fim. Cena três. Uma pessoa está excluindo suas fotos do Instagram, “poxa, essa é tão bonita, porque você excluiu?” A resposta foi que a foto não tinha dado muitas curtidas, e ele estava apagando todas aquelas com os likes em baixa.

Comecei então a reparar que a vida das pessoas estava diretamente ligada a quantidade de curtidas que elas tinham nas redes sociais. Isso trazia felicidade, isso as deixava ser alguém. Se você colocar uma foto com pose sensual e um decote com aquelas típicas frases que parecem tiradas de livro de auto ajuda  e que foi tirada exclusivamente para ser postada, você é valorizado,  você tem muitas curtidas e ganha até seguidores. Mas se sua foto for de você e seus amigos sentados numa mesa em um jantar onde você tomou o vinho que você ama, riu do seu amigo que caiu da cadeira bêbado, e que terá a sua toalha de mesa branca rendada marcada eternamente pelo molho  do macarrão  receita da sua avó que sua prima finalmente conseguiu acertar e que será uma recordação feliz pra sempre na sua vida, isso nem adianta postar. Isso não dá curtidas.

É claro que a gente dá aquela conferida sempre, principalmente quem trabalha com criação de conteúdo, rola uma frustração por não ter um feedback legal de algo que você achou espetacular falar e compartilhar. Se preocupar com curtidas nas redes sociais sendo isso um trabalho pra você porque a diminuição delas pode te atrapalhar, okay. Mas viver em função disso simplesmente pelo fato de se sentir superior em relação as pessoas à sua volta? Há algo a se repensar, como se as curtidas fossem de pessoas que querem o seu bem e que gostam de você o que de fato é relevante pra mim.  Nessa nova vida de rede social, muitas curtidas quer dizer que você é uma pessoa bacana, poucas curtidas você não tem nada a acrescentar. Um feed todo trabalhado em programa de organização de fotos  ornadas por cor e imagem pra atrair seguidores tudo bem, começar a seguir pessoas aleatórias e criar um vínculo curtindo e comentando suas fotos para no momento que ela começar a te seguir você dar Unfollow.. ah, tudo bem também, assim como responder seus comentários antigos de meses e até um ano atrás que nem iriam fazer falta ali para quem comentou, porque simplesmente se começa a ter atividade na foto ela começa a aparecer no Feed novamente gerando curtidas de quem não viu ou chegou depois.  Medir a vida por esse tipo de número é bobagem, das grandes, como externar um sentimento ruim por fulano que você pensa que não vai com a sua cara porque ele não curte nada que você posta. Às vezes é só o tal do algorítimo que fica ali impondo o que ele vai ver ou não.

Antigamente pensava que as pessoas gostavam de curtir aquilo que você colocava e que elas curtiam também, afinal era a lógica. Hoje em consenso com uma amiga, vimos que a procura por saber o que você faz é grande, porém quando rola uma inveja de querer estar ou ser aquilo que você mostra, a curtida não rola, pois o invejoso não quer dar ibope pra você. Ou seja, a vida em curtidas mais uma vez. Talvez  esse que não curtiu seja o próprio amigo que falou que tinha quinhentas curtidas e você, nem cem.

E antes que eu esqueça: deem o seu like nesse texto por favor. HEHE.

Abreijos

Comments

comments

Deixe uma resposta